fim ainda por definir,

- Que voz é essa? Que se passa?
- Nada.
- Conta-me.
- Pronto, estou um bocadinho triste.
- Porquê?
- Por causa do filme.
- O que tem?
- Demasiado romantismo e historinhas bonitas.
- E daí?
- Deixam-me em baixo, é mais forte do que eu.
- Mas porquê? Não me tens a mim?
- Tenho, mas é diferente.
- Porquê?
- Porque não me amas.
- Mas gosto muito de ti.
- Eu sei... Eu sei. Vá, conta-me lá o teu dia.
(...)


Envolvo o meu corpo com o meu fato encarnado preenchido com lantejoulas. Espalho o pó de arroz no rosto e cubro os lábios com um tom de cereja. Polvilho-me com algumas purpurinas e fecho a porta já gasta do meu camarim. A voz que antecede a minha entrada já se faz ouvir do outro lado da minha solidão
- Esta noite, convosco, no nosso fantástico circo, um número no trapézio nunca antes visto.
Faço a rotineira vénia e solto o meu melhor sorriso. Subo, desta forma, as escadas sem fim que levam ao dito espectáculo sem igual, sabendo de antemão que nada lá em baixo impedirá uma possível queda. Um número sem rede, é isso que o público quer. É isso que o amor é. Agarro o trapézio com força e fecho os olhos, sentindo o ar e a magia a fustigar-me o cabelo enquanto balouço. Não vale a pena ver o que me espera. Os teus braços devem estar estendidos para me agarrar e terás um sorriso travesso no rosto, o olhar brilhante, como quem diz
- Estou aqui, vou estar sempre.
Conheces-te tão mal. Sei que bastará um fato mais exuberante num corpo melhor desenhado para te roubar de mim. Um pouco mais de lantejoulas, purpurinas e brilho. Mas enquanto não me deixas temos um número para fazer. A audiência já sustem a respiração e o rufar dos tambores ecoa, é o momento de largar o trapézio. Perco-me no ar e na tal magia, não sinto quaisquer braços, um grito preso, o brilho apanhou-te.
- Nunca foste!
Suba-se o pano, o espectáculo tem de continuar, mesmo que o coração se tenha perdido para sempre, num número sem rede.
Qual quê? Hoje... Céus, como detesto a palavra hoje. Prefiro o ontem. O ontem já passou, o ontem já lá vai, o ontem já não dói. É tão mais simples. Mas enfim, hoje, hoje não há cá palavras todas bonitas nem pinturas sobre o negro. Não tenho força nem alento para estar pr'aqui a embrulhar o que sinto. É o que sinto e é tudo! Quero lá saber que os meus sentimentos a frio sejam feios. Que esperavam? São sentimentos. Se fizer de mim uma trapezista e da minha história um número de circo o meu coração não vai doer menos. São sentimentos e fazem doer, são feios. Não vejo sentimentos bonitos há tanto tempo que, julgo, já nem reconheceria um, mesmo que este me viesse bater à porta, todo perfumado e bem penteado e dissesse
- Sou um sentimento bonito.
Eu provavelmente fechar-lhe-ia a porta na cara aprumada e seguiria com a minha vida, murmurando algo sobre como os sentimentos feios que por aí andam acreditam que nos podem enganar com algum gel e água de colónia. Qual quê? O amor, sentimento dito bonito, não bate à porta, entra de rompante e sem permissão, é um sentimento mal educado. Tornou-se feio também. Tornou-se feio quando deixaste de me beijar e de me chamar bebé e de dormir abraçado a mim e de ser meu. Qual quê? Nunca foste meu, nunca serás, nunca foste. Nunca foste! Se o disser muitas vezes pode ser que o meu coração se convença. O mesmo acontece com a felicidade. Li uma vez que se repetirmos muitas vezes
- Sou feliz
acabaremos por sê-lo, ou, pelo menos, a acreditar que sim. Essa não é, porém, a minha prioridade neste momento. Primeiro devo interiorizar que não és meu. Nunca foste! Tenho, assim, de tomar esta verdade - irrefutável, irrecusável - como um comprimido e rezar - rezar, logo eu que não acredito nessas fantasias - para que não me fique presa na garganta. O bichinho do ciúme que me corrói por dentro tem de desaparecer. Tenho de me curar deste amor. Nunca foste!
Estou sentada em frente à lareira, numa cadeira vermelha e pequenina de quando ainda era criança. Está pálida, velha e gasta. Realmente, o tempo não perdoa. Estou sentada em frente à lareira com a cabeça baixa, tentando aquecer este coração. Pálido, velho, gasto. Tenho de lhe dar corda com frequência e mesmo assim não bate muito depressa, quanto mais com muita emoção. Oh, este meu pobre coração. A minha irmãzinha ajoelha-se ao meu lado. Arrependo-me agora de ter gritado com ela há pouco, sendo que não tem culpa nenhuma do meu sofrimento. Pergunta-me baixinho, a medo
- Não gostas de mim?
- Gosto, é claro que sim, tonta - respondo-lhe, abraçando-a.
É de mim que não gosto, acrescento em pensamento. Não gosto de mim, é um facto. Sinto-me deslocada em qualquer ambiente e o único adjectivo que sei devolver ao espelho é monstro. Que rainha do drama sou. Mais uma vez tenho ganas de mim própria, gostava de ser mais prática e de não estar tão embrenhada neste novelo de sentimentos. Queria conseguir passar pelos teus lábios encostados a outra boca sem o meu coração falhar qualquer batida e que o mesmo não me tentasse saltar do peito ao mais pequeno toque vindo de ti. Sim, queria um coração com um só ritmo, um coração que não fosse teu. Não passo de uma menininha sensível, como me chamas, quem me dera ser mais terra-a-terra. Não me amas, tudo bem, eu aceito-o. Um dia também deixarei de te amar e não serás mais que uma fotografia antiga no meu álbum de recordações, apenas um rosto sem nome. E, no entanto, a sensação de que a frase 'um dia também deixarei de te amar' não se encontra em futuro algum, quanto mais num amanhã próximo. Não possuo a capacidade de esquecer. Sou uma peça com muitos defeitos sendo esse o mais trágico. Não sei deixar para trás nem seguir em frente. Vivo de costas voltadas para o futuro, olhando com saudade quem fui outrora. E o pior é que não sei sequer se fizeste de mim alguém melhor ou não. Melhor, gosto de acreditar que sou alguém melhor. Mas quando o meu telemóvel vibra e
- 68634: Quase. Para ser franco, ele não gosta de ti.
ilumina o ecrã, percebo que não posso estar, de todo, bem. Tão desesperada e confusa ando que dou por mim a perguntar a programas de televisão inúteis o que raio sentes tu por mim. Passo o meu tempo a arquitectar planos para te tornar meu, sabendo desde o início que o meu maior erro estratégico foi deixar que soubesses o que significavas para mim. Confessei-me apaixonada pelo lobo e ainda me pus na sua boca. Sabes bem que podes fazer o que quiseres de mim e que te seguiria até ao fim do mundo, se quisesses. Não queres. Talvez seja altura de dar esta história por terminada, guardar-te na gaveta e categorizar-te como um pretérito mais-que-perfeito. Qual quê? Nunca foste! Mas serás sempre. E o coração jaz perdido, após um número de circo sem rede.
(amo-te, é tudo)

31 comentários:

  1. A vida é assim... o ontem vai soar sempre melhor que o hoje, e vai-te sempre fazer temer o amanha...
    Mas, quem sabe, talvez sejamos só peões num jogo de xadrez horroroso. E no xadrez, os peões são os primeiros a ir abaixo.
    Aqui te deixo uma parte de uma musica de um musical que eu gosto muito. É, basicamente, o que eu ouço a vir do meu peito muitas vezes... e do teu também:

    Listen close to everybody's heart,
    and hear that breaking sound.
    Hopes and dream are shattering apart
    and crashing to the ground.

    ResponderEliminar
  2. que lindo, adorei. A serio. Obrigado pelo comentário.

    Beijo, Mariana

    ResponderEliminar
  3. Tantos sentimentos negativos Ines ..
    Mas, como de costume, fantastico .. Parabens miuda :)

    ResponderEliminar
  4. música e filme ^^

    texto ainda melhor <3

    beijo*

    ResponderEliminar
  5. eu... eu fiquei sem palavras. Só sei que a minha cara estava mais seca antes de ler isto!
    esta frase tocou-me especialmente: "tornou-se feio quando deixaste de me beijar e de me chamar bebé e de dormir abraçado a mim e de ser meu ."

    ResponderEliminar
  6. Meu Deus.
    Fiquei maravilhado com este teu texto, Inês. Enfim, também já estou habituado a esta sensação ao lê-los :)

    ResponderEliminar
  7. oh inês, gostei tanto!
    "Um número sem rede , é isso que o público quer . É isso que o amor é ." - LINDO *.*

    ResponderEliminar
  8. "E o coração jaz perdido , após um número de circo sem rede"

    ... qdo a rede falha, é o corpo quem sustenta tudo.

    ResponderEliminar
  9. Que texto tão fantástico! Muito sentido!

    ResponderEliminar
  10. cada vez me sinto mais desesperadamente agarrada ao ecrã a ler as tuas palavras , essas que encaixam em mim tão perfeitamente(:

    quando li lembrei-me disto " i love you so much it even physically hurts ".

    ResponderEliminar
  11. Ha coisas que nao passam.
    Felizmente podemos sempre contar com algumas pessoas e alguns momentos nas chapas para nos fazer sentir melhor .

    ResponderEliminar
  12. Claro que sabes .
    é daquelas coisas que nos fascinam ..

    ResponderEliminar
  13. O teu texto está mesmo perfeito e eu identifico-me tanto com ele... Está tão perfeito que me sinto tentada mostrá-lo a quem eu amo para ele perceber o que eu sinto, porque é mesmo assim que eu também estou...

    (já agora, aquela história da zoey e dos vampiros é da saga Casa da Noite de P.C. Cast e Kristin Cast)

    ResponderEliminar
  14. Sabes, só tu é que podias ter escrito este texto.
    Temos muito que falar, minha pequenina.
    Gosto de ti, Inesinha.
    Beijo enorme. (Está mesmo... excelente.

    ResponderEliminar
  15. tu escreves tão bem, tens tanto jeito. quem me dera inês :)

    ResponderEliminar
  16. Olá
    Visita o meu blog. Nunca pensaste ser assessora de beleza da oriflame para teres descontos nos produtos ou entao ganhares algum dinheiro?

    beijo

    ResponderEliminar
  17. Olá
    Visita o meu blog. Nunca pensaste ser assessora de beleza da oriflame para teres descontos nos produtos ou entao ganhares algum dinheiro?

    beijo

    ResponderEliminar
  18. está surpreendemente mágico. Parabens!

    Trazes em ti o pensamento e o sentimento unos num só corpo, numa substância poética e luminosa que são as tuas palavras.

    Convido-te já agora a visitares o meu blog - máquina de escrever

    http://www.omagnetismodosimpulsos.blogspot.com/

    obrigado

    ResponderEliminar
  19. "refiro o ontem . O ontem já passou , o ontem já lá vai , o ontem já não dói" amei *.*

    ResponderEliminar
  20. Já voltei a pôr, pequenina linda. (Tinha que alterar umas coisinhas. Aquela é a versão final.)
    Não o podes ter perdido, Inês.
    Oh Inês, não. Eu vou chorar, vá lá.

    ResponderEliminar
  21. Não é possível, Inês.
    Isto é só uma fase, vais ver.

    ResponderEliminar
  22. Esperar, que remédio.
    Mas espero que não seja por muito tempo.
    Petição para o regresso do sol, hein?

    ResponderEliminar
  23. Convite para ler

    O livro "Continuando assim...", foi maltratado...

    Resolvi por isso, e porque tanta gente não encontra o livro onde deveria estar (nas livrarias), recontar a história , lá no
    …. Continuando assim…

    Vamos em metade da história, o livro reescrito , não está igual (nem podia) ao que foi editado.
    Um obrigada especial a quem segue (pois só vale a pena assim).
    A quem chega de novo, umas boas vindas sinceras. E outro obrigada .

    Mais uma reflexão em relação a todo este assunto, e um conselho, se é que me é permitido:

    --- quando vos pedirem dinheiro para editar as vossas palavras, simplesmente digam que não ---
    Bj
    Teresa

    ResponderEliminar
  24. está tão lindo, mas lindo! imaginei tudo do príncipio ao fim. Está maravilhoso!

    ResponderEliminar
  25. Inês, a fotografia que tens como cabeçalho é linda :)
    e o que escreves também.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  26. LINDO +.+
    Escreves tããão bem :)
    Amo os teus textos :D

    ResponderEliminar